eternamente verde

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

SEMANA DOS DEPUTADOS

Olá bom dia a todos!!! Enquanto o Supremo Tribunal federal descia a ripa nos mensaleiros, nossos Congressistas oficializavam a "SEMANA DE DEPUTADOS". Agora é oficial, o trabalho dos nobres deputados é obrigatório às terças, quartas e quintas feiras!!!!!!! e mais: "ENGAVETARAM A PROPOSTA QUE ELIMINARIA O 14º E 15º SALÁRIOS PARA OS MESMOS". O que muda meus queridos amigos? Muita pouca coisa é claro. enquanto continuarem a legislar em causa própria, e nós eleitores não tomarmos consciência disso, tudo continuará como "dantes no quartel de Abrantes". Grande abraço a todos!!!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

A POLÍTICA DE COTAS!

Meus caros amigos. A política do sistema de cotas raciais pode estimular, e de forma positiva a discussão a respeito dos motivos que levam à exclusão. Eu acredito que o que impede o acesso à Universidade Pública é a má formação escolar e não a cor da pele. Um branco pobre tem as mesmas condições de um pobre negro de chegar à Universidade Pública, as dificuldades serão as mesmas. O que falta é uma política educacional de qualidade nas escolas públicas para que todos, brancos e negros, tenham uma boa formação escolar para disputar em pé de igualdade a vaga em uma Universidade Pública ou um emprego público.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

NÃO À "BURCA", SIM AO "HIJAB"

Nasci num berço Muçulmano/Cristão. Pai Palestino vindo da diáspora de 1948 que chegou aqui com 15 anos de idade. Era sunita, casou-se com brasileira, tinha a mente aberta, mas é certo que trouxe alguns ranços dos costumes de sua terra dentre eles o machismo e a submissão da mulher. Minha mãe foi moldando e conquistando aquele “machão” que não gostava de unhas pintadas, maquiagem ou cabelos curtos. Disso eu tiro que a mulher deve, sempre, lutar para conquistar seus direitos de igualdade e liberdade. Principalmente as mulheres muçulmanas que desde sempre trilharam um calvário de violência física e moral nos regimes fundamentalistas como o Regime Talebam que durou até 2001. Escrevo, principalmente, após saber que o presidente do Afeganistão Hamid Karzai faça concessões ao Talebam no sentido de reintegrar grupos rebeldes à política e pacificar o País antes da retirada americana em 2014. Com esse “acordo” o presidente endossa um “CÓDIGO DE CONDUTA” que permite aos maridos bater em suas mulheres, um prato cheio aos conservadores, e com isso retornar ao regime anterior. Mas é certo que pouca coisa tenha mudado, pois os valores regionais são até mesmo mais rígidos que a religião porque a mentalidade masculina continua a sobrepor a qualquer avanço aos direitos da mulher. Não que se quer com isso que a mulher muçulmana se iguale à cultura da mulher ocidental, muito pelo contrário, isso nunca acontecerá, pois cada uma tem suas regras a seguir. A mulher muçulmana que se livrar da “burca”, mas não abre mão do “hijab” (lenço que cobre a cabeça). Ela quer ter direitos de participar livremente da política sem perder a doçura, freqüentar universidades, dirigir seu carro, fazer parte do Executivo e do Judiciário. O que ela, definitivamente, não quer é ser manipulada por suas famílias e seus maridos fanáticos fundamentalistas.