eternamente verde

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

XUXA X GOOGLE

Mais do que lamentável a pretensão da apresentadora Xuxa Meneghel de apagar o seu passado através de um pedido de censura aos resultados de busca do Google.

Embora retirado de circulação e com raras cópias à disposição não pode “Rainha dos Baixinhos” querer que se casse o direito dos internautas de se informar quanto à realização do filme Amor Estranho Amor e, principalmente, quanto ao fato de que havia no seu roteiro, uma relação da sua personagem com um adolescente.

A indexação do filme como pedofilia e relacionando a apresentadora a esta prática pelas ferramentas do Google, decorre apenas da interpretação dada por quem publicou algo a este respeito, não se podendo punir o portal pela mera otimização da pesquisa.

A decisão é, de fato, provisória e a tendência é que venha a ser derrubada. É interessante que o Google não tem interesse em ter a sua marca associada à pornografia, tanto que não permite este tipo de publicação no YouTube ou em outras páginas do grupo, além de se negar a exibir anúncios em sites que façam divulgação de pornografia.

Não obstante duas das grandes controvérsias pelas quais passou a empresa no Brasil dizem, exatamente, respeito a práticas pouco ortodoxas por parte de nossas celebridades. Primeiro foi a tórrida cena de sexo em público de Daniela Cicarelli nas areias de uma praia espanhola, publicada no YouTube, e agora com a vídeo erótico de Xuxa com um pré-adolescente.

Aliás não deixa de ser paradoxal que Xuxa, em um momento afirme que não processará um outro gigante da Rede, por ser contrária à censura, mas, em um breve espaço de tempo, apresente este processo contra os resultados do Google.

FONTE: JUSNAVIGANDI

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

VOTO OBRIGATÓRIO E PROPAGANDA OBRIGATÓRIA... ATÉ QUANDO?

Democracia é bom, tanto é que, sendo brasileiro (a), maior, alfabetizado (?), não possuir antecedentes criminais (?), que poderá concorrer a qualquer cargo eletivo. Mas, se de um lado, e democraticamente, podemos votar e sermos votados, do outro há imposições que nos tira o livre arbítrio, ou seja, somos obrigados a votar e a assistir a propaganda eleitoral gratuita e obrigatória. Esse ranço que nos acompanha há décadas não é retirado muito e simplesmente por conveniência dos Partidos e dos Políticos de modo geral. Se o voto vier, um dia, a ser facultativo tenho certeza que o comparecimento às urnas não ultrapassaria 40 % dos eleitores. E isso obrigaria aos Partidos e aos Políticos uma maior responsabilidade na hora de prometer ou sustentar suas propostas. Porque defendo essa tese? Pelo simples motivo que indo votar por livre iniciativa o eleitor será muito mais exigente, não teríamos votos em branco ou nulo, e votos de protesto, a cobrança será mais direta, visto que, esse eleitor não esquecerá em quem votou. Quanto à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, essa é um verdadeiro suplício, um cinismo sem tamanho, impossível não dar risadas de candidatos que beiram ao grotesco. Alguém viu, ou ouviu de algum candidato, tanto da situação quanto de oposição, alguma proposta sobre política externa? Algum candidato falou de relações com países como EUA, União Européia, China, Irã, Japão? Para os marqueteiros não há espaço para debater o mundo e o Brasil no mundo? Mas, na verdade, o eleitor nem quer saber disso, e os candidatos dizem amém.

Agora estamos no segundo turno das eleições, hora de rever quem mais perdeu e quem mais ganhou. A situação leia-se PT, que já contava com a vitória no primeiro turno, teve que recolher as faixas e a churrascada de comemoração antecipada. A oposição leia-se PSDB que já se sentia derrotada ressurge das cinzas e respira muito mais pelo crescimento de Marina do que dele próprio. Mas vencedor mesmo foi Marina Silva, representando, sozinha, a terceira força nessas eleições e que no final surpreendeu a todos com seus mais de 20 milhões de votos. Agora é correr atrás do apoio de Marina Silva e de seus mais de 20 milhões de eleitores que rejeitam PT e PSDB, que farão a diferença no final da apuração.


O PSDB um partido de esquerda já começou a se enterrar novamente, pois no afã de apoio para vencer as eleições a qualquer custo, se alia ao DEM, antigo PFL, declaradamente um partido de extrema direita, e propõe ao PV até cinco ministérios em troca de apoio. Aguardemos o desenrolar dos acontecimentos e alianças de última hora. Encaremos, agora, a propaganda eleitoral obrigatória, somente com os dois candidatos ao cargo maior e com menor tempo de propaganda, felizmente.